19/01/2021

Sessão de terapia

Como estou sem condiçõe$ de voltar a fazer terapia agora, resolvi desabafar aqui mesmo (mas com muito medo no coração de que alguém da minha vida real leia isso um dia haha).

Comecei a pensar no que escrevi no último post, sobre por que alguns anos são mais difíceis para mim do que outros, e cheguei a uma conclusão: é porque esses são anos de mudanças, e eu não sei lidar muito bem com mudanças.

Não sei se eu já falei por aqui (provavelmente não, já que a minha política é quanto menos eu revelar sobre mim mais difícil vai ser para alguém me encontrar kkkk), mas trabalho na saúde. E se trabalhar na saúde já não é fácil em dias normais, trabalhar na saúde no meio de uma pandemia é ainda pior. Agora imaginem como é trabalhar na saúde no meio de uma pandemia com uma nova chefe com fama de tirana. Eu estou tensa, os meus colegas de serviço estão tensos, e ver a tensão de todo mundo me deixa ainda mais tensa. E para piorar, uma colega minha logo vai sair de licença e o serviço dela vai sobrar pra mim. Tudo isso fez os meus níveis de ansiedade subirem, e consequentemente os meus rituais de verificação pioraram, o que acaba atrasando todo o meu trabalho, o que me deixa ainda mais estressada (ainda mais agora que vou ter mais coisa pra fazer e ficar verificando).

Tem uma frase do livro "Minha Sombria Vanessa" com a qual eu me identifiquei muito:

"É uma espiral que eu já percorri antes, e sempre chego à mesma conclusão: que provavelmente tem alguma coisa errada comigo, uma fraqueza inerente que se manifesta como preguiça, como medo de meter a cara."

Porque é isso mesmo o que eu sinto: que eu não sei lidar com as dificuldades do mesmo jeito que as outras pessoas lidam porque sou fraca, preguiçosa e covarde. Por que eu simplesmente não consigo fazer o que é preciso fazer sem ficar botando obstáculos em tudo? É por causa disso que deixo de fazer um monte de coisas.

Aí como a minha vida no trabalho está um caos, as minhas horas de descanso e lazer em casa também estão sendo afetadas: não consigo comer direito, dormir direito, ler direito, curtir um filme direito, enfim, viver direito.

O que eu preciso é descobrir como não surtar antes da hora (e nem quando a hora chegar).

09/01/2021

Depois do ano bissexto

Até onde a minha memória alcança, o ano depois do ano bissexto sempre foi cheio de dificuldades para mim, não sei por quê. São anos que me deixam um pouco mais louca, mas que no geral me fazem crescer de alguma maneira também. Em 2005, 2009, 2013 e em 2017 foi assim, e 2021 já está sendo assim de novo... E É SÓ A PRIMEIRA SEMANA DO ANO! Enfim, vamos ver como eu vou chegar no fim do ano.

*

Em 2021 não quero ser a louca das metas, mas sem metas fico meio sem rumo, então pensei em poucas coisas:
  • Continuar com o #umanosemfazercompras (até 31/10)
  • Ler um livro por semana
  • Meditar uma vez por semana (eu ia colocar uma vez por dia, mas resolvi ser mais realista)
  • Desacelerar

01/01/2021

1/365

Em 2010, ao ler Fruits Basket, descobri que os japoneses têm como tradição de ano novo assistir ao primeiro nascer do sol. Desde então eu sempre tive vontade de assistir ao primeiro nascer do sol do ano, mas por motivos de falta de motivação nunca rolou... Até hoje! Acordei às 4:50 e fui com a minha irmã (no maior cagaço, porque a gente foi a pé e sozinha) até um dos pontos turísticos da minha cidade para ver o sol nascer às 5:36. Infelizmente o dia amanheceu nublado e tudo o que nós duas conseguimos ver foi isso:

Pois é, meio decepcionante, mas valeu a experiência

Aí a gente decidiu que veria o pôr do sol para compensar, e parecia que a chuva iria frustrar os nossos planos de novo, mas...

Tchã-rã!

Então é isso! Que todo mundo tenha um 2021 cheio de experiências incríveis e que ninguém desanime (muito) se as coisas não saírem bem como o esperado :)